Notícias

8 de janeiro de 2018 às 14:51:55

Estância está órfã de representantes na Alese. Isso precisa mudar!


Estância está órfã de representantes na Alese. Isso precisa mudar!
Segundo o Tribunal Regional Eleitoral de Sergipe – TRE/SE -, o Estado de Sergipe tem mais de um milhão e meio de sergipanos que foram às urnas em 2016 e que irão neste ano à escolha do futuro presidente da República, do governador, de dois senadores, de oito deputados federais e de 24 deputados estaduais em eleições a serem realizadas no dia 7 de outubro.

Excluindo a capital sergipana, que possui o maior eleitorado do Estado, Estância que, segundo dados do IBGE de 2017, tem 68.846 habitantes, é a quinta cidade do interior em número de eleitores, com 45.834. Certamente, para 2018 o número deve ser maior, um detalhe que fará diferença para cima.

Estância é uma cidade de tradição política desde o início do século XX. São poucos os estancianos que sabem que durante a vida política dela mais de uma dezena de homens foram eleitos para representá-la na Assembleia Legislativa de Sergipe e até no Congresso Nacional – Carlos Magno, por exemplo, foi prefeito e também deputado estadual e federal (1995-1998).

Mas hoje Estância, que dizem ser a mais politizada de Sergipe, não tem um sequer representante na Alese. Lamentavelmente. Não que não tenha eleito um em 2014. Gilson Andrade, o atual prefeito, fora esse nome.

Nossa Senhora do Socorro, que possui o segundo maior eleitorado do Estado – 100.434, segundo 2016 -, é representado pela deputada Sílvia Fontes, PDT, que foi a campeã de votos em 2014, além de ter eleito o Padre Inaldo, PC do B, que, como Gilson, também virou prefeito.
Lagarto, com seus 70.191 eleitores de 2016, contou com os deputados Gustinho Ribeiro, PSD, e Goretti Reis, DEM, em 2014, além de também ter eleito Valmir Monteiro, PSC, como as duas demais cidades. Este ano pode, no mínimo, eleger dois estaduais, com a candidatura de Ibrain Monteiro, presidente da Câmara Municipal, e filho do prefeito Valmir. Gustinho pega o atalho de Brasília.
A cidade de Itabaiana contava com 64.627 eleitores, e já teve três deputados estaduais de uma só vez. Atualmente, é representada pelo presidente da Alese, Luciano Bispo, PMDB, e por Maria Mendonça, PP. Mas pode repetir a dose agora em 2018 com a presença de Talysson Costa no pleito – ele é filho do prefeito Valmir de Francisquinho, PR.
Veja o caso de São Cristóvão – a quarta cidade mais antiga do Brasil e a quarta do interior do Estado em número de eleitores – 53.218: ela tem como porta-voz o deputado Francisco Gualberto, PT, líder do Governo na Alese. Mas ainda com relação a Estância, muitos acreditavam que Márcio Souza, PSOL, que teve 27,06 % dos votos válidos para prefeito – chegando bem perto do segundo colocado Carlos Magno – seria pré-candidato a deputado estadual.

Como já está em campanha como pré-candidato para o Governo do Estado, sua opção com certeza deve estar sendo festejada pelos demais pré-candidatos que sonham com uma das vagas da Alese. Souza, pela sua performance, certamente conquistaria boa parte do eleitorado estanciano e da região Sul do Estado.

Mas ainda restam quatro pré-candidatos no páreo, que se não encontrarem uma saída capaz de unir as forças, o bolo dividido pode não dar pra saciar a fome de ninguém. Posso citá-los: Adriana Leite, PR, vice-prefeita; Carlos Magno, PSB, ex-prefeito e ex-deputado; vereador Misael Dantas, PSC, e possivelmente um outro nome do PT, para fortalecer a candidatura majoritária de Senado liderada por Rogério Carvalho.
Importante lembrar que Estância já teve dois deputados estaduais eleitos de uma só vez: Ivan Leite e Carlos Magno. Isso em 1990. A cidade tem potencial para repetir a performance. Para que isso aconteça, seria mais prudente dividir o bolo por dois ou três do que por quatro ou mais candidatos.

Mas se o quadro político continuar como está, é possível que Estância tenha uma das melhores disputas dos últimos tempos – com chances de Adriana Leite, muito em virtude do seu marido, o líder municipal Ivan, e Carlos Magno, darem um espetáculo à parte. Que deem e acabem com madrasta orfandade.

Adalberto Vasconcelos Andrade
É administrador de Empresas, Policial Rodoviário Federal aposentado e escritor

Colunistas