Notícias

17 de fevereiro de 2020 às 08:03:13

Alunos do SESI de Estância criam lixeira inteligente que transforma lixo orgânico em gás de cozinha


Alunos do SESI de Estância criam lixeira inteligente que transforma lixo orgânico em gás de cozinha
Alunos entre 15 e 16 anos criaram o “Kit Biogás”, tecnologia a ser instalada em condomínios para produzir biogás a partir de restos de alimentos.

Para dar um destino adequado ao lixo orgânico, alunos do SESI de Estância (SE) desenvolveram uma lixeira inteligente para condomínios, que pode transformar os restos de alimentos em gás de cozinha. O “Kit Biogás”, como foi batizado o projeto da equipe “Acrônicos”, vai ser apresentado nos próximos dias 8 e 9 de fevereiro, na etapa regional do Torneio SESI de Robótica da FIRST LEGO League (FLL), em Salvador (BA). Essa etapa prepara os alunos para tentar uma vaga na fase nacional, que ocorrerá no início de março, em São Paulo.

“O projeto visa transformar resíduos orgânicos gerados em condomínios em biogás”, resume o técnico da equipe, Elton Daniel do Nascimento. O biogás é considerado uma fonte renovável de energia. Uma das matérias-primas para essa fonte é o lixo orgânico, que são os restos de alimentos de origem vegetal e animal, podendo gerar combustível para fogões, motores e na geração de energia elétrica, por exemplo.

“Ao estudar melhor nosso projeto, percebemos que a decomposição da matéria orgânica libera um líquido que polui o ambiente, o chorume, e pensamos como resolver ou amenizar esse problema. Foi aí que decidimos usar a fibra de coco, já que estamos em uma região litorânea e temos esse produto em grande abundância”, revela Jéssica. A fibra, segundo a jovem, será instalada no interior da lixeira. “Quando o chorume passar por ela, vai deixar substratos poluentes na lixeira, porque se fossem parar na natureza fariam mal.”

A estudante Jessica Siqueira Santos, de 16 anos, explica como vai funcionar o “Kit Biogás”. “Esse kit consiste em uma lixeira subterrânea que, por meio dos resíduos orgânicos dos apartamentos, produzirá o biogás, que será levado pela tubulação do condomínio até os moradores”, comenta. Como o tema da competição nesse ano é tornar as cidades mais inteligentes e sustentáveis, as lixeiras serão feitas de madeira e com fibra de coco.

Outro passo do projeto da equipe Acrônicos é desenvolver um aplicativo para celulares que possibilitará os moradores do condomínio acompanharem todo esse processo. “O aplicativo dará dicas de como o gás poderá ser consumido e como funciona a produção. E eles terão total acesso ao que está sendo produzido”, adianta o técnico Elton.

Além de Jessica, os alunos Carlos (15), João Vitor (15), Leticia Giovanna (15), Luis Felipe (15) e Thaisa Rafaela (15) pensam agora em como devolver o chorume que ficará “preso” sem prejuízos aos solos. “Nesse caso, o chorume será utilizado para produzir uma rede que poderá ser usada em cidades com riscos de deslizamento. E o chorume, agora não mais prejudicial, poderá ser liberado no solo sem prejudicá-lo tanto”, planeja a estudante.

Jéssica ressalta que os custos para produzir a lixeira são baixos. “O que pode pesar mais no preço é escavação da parte subterrânea. No mais, o projeto é simples e de baixo custo, vai depender do porte do condomínio”, esclarece.

App

O aplicativo vai orientar os moradores sobre quais produtos eles podem ou não colocar na lixeira. “Nem todos os produtos são adequados para serem descartados”, lembra Jessica.

A competição

O diretor de Operações do Departamento Nacional do SESI, Paulo Mol, ressalta que a elaboração dos projetos estimula a autonomia e o trabalho em equipe e contribui para a formação profissional dos alunos. “A questão do empreendedorismo é a base de todo o processo. Nesse torneio, uma das avaliações que é extremamente importante é a capacidade de empreender, de buscar coisas novas, de fazer com que o produto seja desenvolvido”, atesta.

O Torneio de Robótica FIRST LEGO League reunirá 100 equipes formadas por estudantes de 9 a 16 anos e promove disciplinas, como ciências, engenharia e matemática, em sala de aula. Até 16 de fevereiro, haverá as disputas regionais. Os melhores times garantem vaga na etapa nacional, que ocorrerá em março, em São Paulo.

O objetivo é contribuir, de forma lúdica, para o desenvolvimento de competências e habilidades comportamentais exigidas dos jovens. Todo ano, a FLL traz uma temática diferente. Em 2020, os competidores terão que apresentar soluções inovadoras para melhorar, por exemplo, o aproveitamento energético nas cidades e a acessibilidade de casas e prédios.


Da Agência Rádio

Colunistas