Notícias

28 de junho de 2020 às 20:45:22

Sindseme denuncia perseguição política da Prefeitura de Estância

por Ascom Sindseme


Sindseme denuncia perseguição política da Prefeitura de Estância
A gestão do prefeito de Estância, Gilson Andrade (PSD), está sendo apontada como perseguidora pelo Sindicato dos Servidores Públicos de Estância e Arauá (Sindseme). Sob a tutela do prefeito, o secretário da Saúde Lourival Júnior, promoveu a transferência da médica veterinária Carolina Maria da Vigilância Sanitária para a Secretaria da Administração e Planejamento sem apresentar uma justificativa. Carolina é filha do ex-secretário da Administração de Estância, Flaviano Barbosa, que atuou no município na gestão Carlos Magno.

Concursada desde 2014, a servidora é graduada em Defesa Sanitária e Higiene e Inspeção de Produtos de Origem Animal (Hipoa), além de ser Mestre em Ciência Animal. Custa recordar que, durante o último ano, ela foi lotada e “deixada na geladeira” na Secretaria de Desenvolvimento Econômico, sem receber qualquer tipo de demanda no período.

Para a presidente em exercício do Sindseme, Simone Rocha, a aversão da gestão Gilson Andrade aos trabalhos da Vigilância Sanitária ficam cada vez mais escancarados com esta e outras atitudes arbitrárias. "Essa decisão revela o desprezo da administração do prefeito Gilson Andrade pela Vigilância Sanitária. Desde 2017, Gilson Andrade tem assistido com os braços cruzados a deterioração do órgão, seja pela saída de profissionais do quadro técnico, seja pelo sucateamento dos carros utilizados na fiscalização", argumentou a presidente.

Simone salientou ainda que o Sindseme defende que haja, no mínimo, uma justificativa dos gestores que ponderam tais decisões, haja vista que, atualmente, a transferência é prevista legalmente na Lei Municipal 16/2007 (Estatuto do Funcionalismo de Estância). “Durante este período, Carolina Maria tentou o contato com o secretário da Saúde, mas este se recusou a recebê-la reiterada vezes. Nós esperamos que o ato administrativo seja cancelado e que o município passe a justificar as transferências de servidores”, completou Simone.


Colunistas